Atração de investimentos e apoio à indústria marcam três anos de governo Flávio Dino

Em três anos de gestão, o governador Flávio Dino coordenou ações que protegeram o Maranhão da crise econômica nacional, garantindo o reforço em investimentos públicos e a atração em investimentos privados. Ao todo, as ações governamentais garantem injeção de R$ 16,1 bilhões no Estado, segundo dados do Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos (Imesc).

Uma das principais estratégias para garantir investimentos no Estado foi o reforço das obras de infraestrutura, com destaque para a mobilidade urbana, construção de hospitais regionais, escolas dignas e o Programa Mais Saneamento.

Em 2015 e 2016, o governo investiu R$ 1 bilhão apenas no Programa Mais Asfalto. Em 2017, são mais de R$ 850 milhões aplicados ao Programa.

Os investimentos em pavimentação, requalificação e construção de ruas, avenidas e rodovias, por sua vez deram condições para a ampliação do escoamento da produção maranhense, que em 2017 vem batendo recordes na movimentação de grãos.

A expansão dos investimentos públicos gera impacto estimulante sobre o setor privado, que representará montante de R$ 12,5 bilhões até o ano de 2020, ainda segundo as projeções do Imesc.

A política de atração de investimentos do governo é norteada por estratégias que passam por apoio a empresas locais, investimentos em logística, política fiscal eficiente e construção para elaboração de projetos que estimulem empreendimentos externos.

A implantação de programas de incentivos fiscais, a exemplo do Mais Produção  e do Mais Empregos, também contribui para a atração de investimentos e geração de renda.

Força portuária

No segmento de movimentação portuária, 45,9% dos investimentos privados estão concentrados no Porto do Itaqui um dos principais vetores estratégicos de negócios e desenvolvimento do Maranhão.

Os investimentos destinados ao Porto do Itaqui somam R$ 1,4 bilhão, dos quais 17,3% estão sendo executados por meio da expansão de um Terminal de Tancagem.

Outros 54% dos investimentos no Porto vêm de um Consórcio integrado de empresas com aporte de R$ 1,7 bilhão para a construção de um Terminal de Uso Privado (TUP) na área conhecida como Cajueiro, no Distrito Industrial do município de São Luís, para movimentação de fertilizantes, granéis líquidos, carga geral e contêineres.

O Porto do Itaqui também recebe investimentos públicos que melhoram a infraestrutura e ampliam os chamados berços, responsáveis pela ampliação da movimentação graneleira.

Com geração de mais de 14 mil empregos diretos e indiretos e responsável pela arrecadação de um terço do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), o Porto do Itaqui tem importância estratégica para a economia e o desenvolvimento da cidade de São Luís.

No setor energético, o governo apoiou a instalação do primeiro Complexo Eólico do Maranhão, instalado nos municípios de Barreirinhas e Paulino Neves, com aporte inicial de R$ 1,5 bilhão e já em fase final de conclusão.

Mais apoio às empresas locais

O esforço da gestão estadual em atrair investimentos para o Estado também garantiu mais condições às empresas locais, de pequeno e grande portes.

Para ampliar a produção de frangos, o governo adotou política de incentivos fiscais. Trata-se do Programa Mais Avicultura, que promoveu ajuste tributário, aumentando a competitividade em relação a outros estados.

Em 2014, o Estado produzia apenas 3 milhões de aves por mês. Com as ações do Mais Avicultura, em 2015 já era uma produção de 3,5 milhões de aves por mês, um aumento de 17%. Com o incentivo fiscal, o programa já garantiu investimentos em construção de abatedouros nos municípios de Balsas, (R$ 172 milhões), Coroatá (R$ 140 milhões), Santa Inês (R$ 34 milhões) e Porto Franco (R$ 14,5 milhões).

O setor de produção de frangos tem potencial para a produção em 2018 de 10 milhões de frangos a cada mês. Em 2020, existe a expectativa de que 12 milhões de frangos estejam sendo produzidos mensalmente no estado, gerando 30 mil empregos diretos e indiretos.

Mais logística

Além de programas de incentivo fiscal, governo gerou facilidades logísticas de distribuição para as empresas locais. O Novo Distrito Industrial em São Luís, localizado próximo ao Aeroporto Internacional Cunha Machado, ao Porto do Itaqui, à rede ferroviária e às margens da BR-135, atraiu interesse de 25 empresas, com investimentos inicias de R$ 4,2 bilhões e 2.440 empregos.

“Para nós, a instalação do Novo Distrito Industrial oferece inúmeras vantagens, entre elas maior agilidade na logística e centralização e localização muito privilegiada. Isso vai garantir o abastecimento de nossas lojas e também os clientes do atacado com alto nível de qualidade e agilidade; distâncias serão encurtadas significativamente”, explica Leandro Ortegal, coordenador administrativo do projeto de instalação de um dos centros de distribuição do novo Distrito.

Para o Secretário de Indústria, Comércio e Energia, Simplício Araújo, os três anos de governo Flávio Dino marcam a implantação concreta de investimentos no Estado, apesar das dificuldades enfrentadas pelo país: “No passado se falava em investimentos que nunca aconteciam e ainda causavam enormes prejuízos ao povo do Maranhão, como a refinaria de Bacabeira.  Hoje,  mesmo nesta quadra econômica complicada, temos mais de R$ 15 bilhões em investimentos confirmados acontecendo no Maranhão e investimentos a confirmar, que podem gerar mais de R$ 20 bilhões em investimentos nos próximos anos”.