Governo certifica alunos do IEMA Couro em Ribeirãozinho

Centenas de alunos receberam os certificados de cursos ofertados pela unidade vocacional do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (Iema), em Ribeirãozinho. A iniciativa atende um anseio antigo da população: qualificação profissional para atender a demanda do polo coureiro da cidade, considerado um dos maiores do Norte/Nordeste.

Um total de 125 alunos dos cursos de artefatos em couro e inglês básico e avançado receberam os certificados. A oferta de cursos faz parte do adensamento da cadeia do couro, coordenada pela Secretaria de Estado da Indústria, Comércio e Energia (Seinc), em parceria com a Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti).

“A proposta da Seinc é fomentar a cadeia do couro, diante do grande potencial existente na cidade. Com a verticalização da cadeia, contribuímos para a expansão nos negócios, atração de novos investimentos e geração de emprego e renda. E a qualificação profissional está ligada diretamente nesse processo”, afirmou o superintendente de agronegócio da Seinc, Rodolfo Rodrigues.

Ribeirãozinho possui quatro curtumes que, juntos, somam mais de 1.500 postos de trabalho. No Iema serão ofertados cursos na área de beneficiamento de couro, na modalidade Formação Inicial Continuada (FIC), com apoio do Sindicato das Indústrias de Curtimento de Couros e Peles (SindiCouros). “Para mim é um sonho, que eu acredito que o Iema da nossa cidade é o divisor de águas, que traz dignidade para as pessoas, e é o que a gente tentar fazer ao máximo, contribuindo para poder gerar emprego após a qualificação”, pontuou o presidente do SindiCouros, Adão Gonçalves.

O Maranhão é um dos estados brasileiros mais promissores no ramo coureiro, sendo o 13º maior exportador do país e o 4º maior do Norte/Nordeste. Os resultados são parte dos investimentos do Governo do Estado no setor.

A técnica do Iema, Vanderluce Silva, reforça que a comunidade está sendo qualificada para assumir os postos de trabalho do polo coureiro da região. “A nossa proposta é promover qualificação profissional no município, que o potencial é o couro. Nosso intuito é fazer com os membros da comunidade de Ribeirãozinho possam ser qualificados e sejam inseridos no mercado de trabalho aqui”, disse.

Adensamento da cadeia do couro

Além de formar mão de obra, o Governo do Maranhão investiu em infraestrutura para o desenvolvimento do setor coureiro. Com R$ 300 mil, foi implantada subestação da Companhia Energética do Maranhão (Cemar) em Ribeirãozinho para oferta de energia elétrica aos curtumes e à população do município. Entre as ações de fortalecimento da cadeia produtiva do couro, também está a ampliação de negócios do setor e ações de apoio e fomento.

O secretário da Seinc, Simplício Araújo, explica que o polo coureiro de Ribeirãozinho tem um grande potencial, que passou anos esquecido. “O couro produzido aqui pode estar em diversas partes do Brasil e do mundo, em bolsas, carteiras e até banco de carros de luxo. Couro nosso, produzido aqui no Maranhão e que tem grande perspectiva de crescimento, de atração de outros negócios, visando adensamento dessa cadeia”, ressaltou.