Produtos produzidos no Maranhão são destaque durante Seminário realizado pelo Governo

                                                        Exposição de produtos maranhenses reforça ações de incentivo e fomento ao consumo interno

Cerca de 40 empresas maranhenses tiveram a oportunidade de expor seus produtos ao público, a grandes atacadistas e varejistas e realizar tratativas comerciais durante a realização do Seminário Oportunidades para a Cadeia Produtiva do atacado e varejo supermercadista, realizado na última semana, em São Luís.

A ação faz parte da estratégia de fomento dos produtos maranhenses, que hoje recebem o selo Produzido no Maranhão, que ajuda o consumidor a identificar e valorizar o que é produzido no estado.

Criado pela Secretaria de Indústria, Comércio e Energia (Seinc), o selo Produzido no Maranhão conta atualmente com 65 empresas dos mais variados segmentos. São cervejas artesanais, panelas, caixas, produtos de higiene e limpeza, doces, geleias, tiquiras e muitos outros produtos que antes não eram identificados pelo consumidor como genuinamente maranhense.

Para Simplício Araújo, secretário da Seinc, o selo Produzido no Maranhão representa um marco na valorização dos produtos maranhenses e a ratificação do compromisso do Governo  com os empreendedores locais.

“O consumidor precisa conhecer o valor de ter um produto produzido aqui, que gera milhares de oportunidades de trabalho. É um trabalho contínuo e que quebra paradigmas. O Maranhão é um estado empreendedor. É um estado de oportunidades e o selo veio para ajudar, para valorizar o trabalho de todos aqueles que acreditam no potencial e no mercado maranhense”, afirmou Simplício Araújo.

O proprietário da “Pimentas Nippon”, Jorge Takamori, afirmou que existe uma grande expectativa em relação ao selo. Segundo ele, o programa mostra que os empresários não estão sozinhos no estado.

“Fazer parte do selo é participar de uma cadeia que permite a aproximação com o Estado. Espero que esse relacionamento com a Seinc se fortaleça. Com a adesão, vamos trabalhar esse selo nas nossas embalagens, agregando valor aos produtos”, afirmou.

Já para o produtor da cachaça do engenho reserva do Zito, José Geraldo, receber o selo é uma satisfação para toda a sua família que, há mais de 70 anos, fabrica cachaça. “Aderir a essa identidade maranhense é a consequência do reconhecimento do nosso trabalho. Há bastante tempo tentamos ser inseridos nesses programas, mas agora que temos o registro no Ministério da Agricultura, foi possível. Temos a 4ª cachaça registrada no Estado do Maranhão”, destacou José Geraldo.

A proprietária da empresa Doce Pedaço, Ana Luzia citou o diferencial da 5ª edição dos Ciclos de Seminários. “Além das perspectivas positivas que já temos com a exposição, as palestras foram o diferencial deste seminário, porque esclarecem muitas dúvidas que os empresários têm sobre impostos e fiscalização. A gente [empresários] acaba gerenciando melhor os nossos negócios, de maneira mais clara”, explicou.