Espaço de Negócios da Seinc movimenta mais de R$ 13,5 milhões na Agrobalsas 2019

Qualidade, diversidade e constância assinalaram o ‘Espaço de Negócios’ da Secretaria de Indústria, Comércio e Energia (Seinc), feira multissetorial que abrangeu a comercialização e exposição de produtos produzidos no Maranhão, na Agrobalsas 2019. Com a presença de 68 empresas, de 20 a 24 de maio, o espaço prospectou mais de R$ 13.574.278 milhões em negócios e atraiu mais de 22 mil pessoas, em Balsas.

Os programas Maranhão Mais Produtivo e Selo Produzido no Maranhão, geridos pela Seinc, nortearam a ação de estímulo ao empreendedorismo maranhense no Sul do Maranhão e permitiram um intercâmbio de negócios produtivo às empresas presentes, distribuídas em stands de comercialização e exposição.

O Maranhão Mais Produtivo visa a valorização das vocações regionais; estímulo à inovação; e a qualidade e produtividade. Já o selo Produzido no Maranhão visa destacar a qualidade e a diversidade dos produtos locais.

As dinâmicas do Espaço de Negócios, que incluíram degustação de produtos e da feira de exposição ‘Produzido no Maranhão’ fizeram jus ao tema da Agrobalsas: Valorização Territorial Matopi, onde o público teve a oportunidade de conhecer a variedade e a qualidade dos produtos produzidos no Maranhão.

De acordo com o secretário da Seinc, Simplício Araújo, a feira de negócios representa a consistência do governador Flávio Dino, em sistematizar um ambiente favorável aos negócios, ressaltar o potencial de micro e pequenas indústrias locais, além de fomentar estratégias que resultem no desenvolvimento dos âmbitos econômicos-sociais do estado.

“Esse estímulo é mais um pano de fundo dos programas Mais Produtivo e Selo Produzido no Maranhão, que visam a integração dos substantivos valorização, crescimento, emprego, renda e economia local mais sólida, com vistas ao aprimoramento e desenvolvimento da classe empreendedora e do Maranhão como um todo. Com esses eventos, queremos mostrar que temos produtos com potencial para atender a demanda do nosso mercado interno”, sublinhou Simplício Araújo.