Manutenção de aeroportos contribuiu para a entrega da vacina no Maranhão

Publicado em 20 de janeiro de 2021.

Aeroporto de Barra do Corda integrou ação para repasse das vacinas aos municípios maranhenses (Foto: Divulgação).

Desde o começo desta semana, as vacinas contra o coronavírus foram enviadas para todas as regiões do Estado do Maranhão. A manutenção nos aeroportos contribuiu para que os insumos chegassem com agilidade aos municípios, como analisa o secretário de Indústria, Comércio e Energia (Seinc), Simplício Araújo.

Os serviços presentes nestes aeroportos foram essenciais para o deslocamento das vacinas contra a covid-19, além de outros insumos, como luvas, seringas e agulhas. Uma ação estratégica viabilizada pelo Governo do Estado, assim como os investimentos recentes feitos nos aeroportos municipais.

No fim de 2020, o Governo do Estado, via Seinc, firmou contrato com a Infraero, para fazer a gestão de cobranças e repasse de taxas pelo Sistema Unificado de Arrecadação e Cobrança das Tarifas Aeroportuárias (Sucotap) em seis aeroportos maranhenses: nas cidades de Balsas, Bacabal, Barra do Corda, Barreirinhas, Carolina e Santa Inês.

“O contrato firmado em novembro do ano passado visa o fomento de recursos em função do uso dos aeroportos em taxas de pousos, decolagem e de estadia. Não havia retorno destas receitas para custear parte do que o governo investe na manutenção dos aeroportos. Agora, não somente temos aeroportos em melhores situações como atuando de forma efetiva para a saúde de milhares de maranhenses”, analisa Simplício Araújo.

O Sucotap, conjunto integrado de normas, procedimentos, recursos (humanos, tecnológicos e financeiros) e instrumentos de controle, será utilizado para processar, cobrar, arrecadar e efetuar o repasse do valor reunido com as tarifas aeroportuárias de embarque, pouso, permanência e conexão nestes aeroportos.

O secretário pontua, ainda, que ações como a ampliação da malha aeroportuária no Maranhão, as melhorias feitas em cada unidade e a ação conjunta no combate ao coronavírus demonstram o diálogo e a parceria constantes dentro do Governo do Estado.

“Desde 2015, buscamos pensar o tráfego aéreo como algo diretamente relacionado a várias áreas, como sua importância estratégica para setores, como segurança, logística e saúde”, disse.

Para mais informações sobre as melhorias recentes nos seis aeroportos municipais, acesse: http://www.seinc.ma.gov.br/2021/01/mais-crescimento-e-investimentos-pro-maranhao-analisa-simplicio-araujo-sobre-aeroportos-em-balsas-bacabal-barra-do-corda-barreirinhas-carolina-e-santa-ines/.

Públicos

Nesta primeira etapa, são vacinados os grupos determinados pelo Ministério da Saúde. Existem três fases nesta etapa. Na primeira fase, são trabalhadores de saúde; pessoas de 75 anos ou mais; pessoas de 60 anos ou mais em asilos; população em situação de rua; população indígena, povos e comunidades tradicionais ribeirinhas e quilombolas.

Na segunda fase, são os idosos de 60 a 74 anos. Na terceira fase, são pessoas com diabetes mellitus; hipertensão arterial grave; doença pulmonar obstrutiva crônica; doença renal; doenças cardiovasculares e cerebrovasculares; indivíduos transplantados de órgão sólido; anemia falciforme; câncer; e obesidade grave, com Índice de Massa Corporal igual ou maior que 40 (IMC≥40).

Neste primeiro lote, são 164 mil doses para vacinar 78 mil pessoas. Cada uma receberá duas doses.