Potencial de geração de energia do Maranhão é destacado por especialistas durante Seminário

Publicado em 31 de outubro de 2017.

No final do mês de setembro, o Brasil registrou novo recorde de geração de energia eólica na Rede de Operação Nordeste. Foram gerados 7.085 megawatts. Considerando os contratos já assinados para instalação de parques eólicos no país, tem-se a previsão de 230 novos parques até 2020.  O Maranhão, nesse ano inaugurou seu primeiro parque, o Delta 3, entre os municípios de Barreirinhas e Paulino Neves, com capacidade instalada de 220 megawatts, e previsão de entrar em operação plena ainda no segundo semestre deste ano. O Parque desponta como o novo polo eólico brasileiro, cuja energia eólica desempenha um papel de protagonismo na matriz energética.

Todo esse cenário foi debatido durante o Seminário Estratégico Mais Desenvolvimento Energia, promovido pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Indústria, Comércio e Energia (Seinc), no último dia 26. A energia eólica e outras potencialidades energéticas do estado, foram destacadas por especialistas do Setor que participaram do evento, que reuniu a classe empresarial, o meio acadêmico e o poder público para discutir sobre o tema “Desafios e Perspectivas Locais das Cadeias Produtivas de Petróleo, Gás e Energias Renováveis. ”

“O governador Flávio Dino está cumprindo um importante papel que é incentivar o empresariado a conhecer as potencialidades do estado, a sua potência de riquezas em todas as áreas e vem dando segurança para que todos venham para cá investir. O setor de energia é muito amplo e está em crescimento, gerando cada vez mais empregos”, avalia Simplício Araújo, titular da pasta de Indústria, Comércio e Energia.

O governo do Estado vem cumprindo seu papel e entre as medidas adotadas para incentivar o setor, tornou a alíquota zero para quem investir em energia renovável. O incentivo é uma forma de alinhar as potencialidades do estado ao desenvolvimento das cadeias produtivas.

O presidente do Conselho de Administração da Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEOLICA), Lauro Fiuza, disse que o governador Flávio Dino atrai com esses movimentos, e dá a esses investidores a segurança da parceria Estado e iniciativa privada que, segundo ele, é preponderante. “O empresário gosta de desafios e gosta de se arriscar em lugares onde há essa segurança. Esse evento de várias áreas vem a contribuir muito para abrir a todos os brasileiros as oportunidades de investimentos que o Maranhão oferece”.

Para Magda Chambriard, ex-diretora presidente da Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP), o “Maranhão tem um papel muito importante daqui pela frente. O Brasil, se crescer 2% ao mês, precisa investir em refinarias no país para reverter as importações atualmente de 1 milhão e meio de derivados de petróleo. É isso que estamos discutindo aqui, porque precisamos planejar o que vamos precisar para daqui a dez anos”, frisou.

Casos de sucesso, como o uso de energia solar, também foram narrados durante o evento, destacando-se a sustentabilidade. O fundador da empresa BioExtratus, Lindouro Modesto Gomes, que implantou o maior sistema industrial privado do Brasil em geração de energia fotovoltaica explanou sobre o tema. “Os Órgãos públicos têm que ser facilitadores. Acredito que o futuro é sustentabilidade, Estados, municípios, faculdades precisam investir mais nessa educação. Saio daqui pensando que tem um estado no Brasil, enxergando como eu enxerguei”.

Ciclo de seminários

O cíclico de seminários ‘Mais Desenvolvimento’, contribuirão na elaboração da Política de Desenvolvimento Produtivo do Maranhão  (PDP), que tem a proposta de valorizar a força empreendedora maranhense, a elevação da competitividade das empresas locais, a agregação de valor das vocações produtivas, a inserção econômica e o desenvolvimento sócio produtivo, de forma sustentável.

“Nós não temos tempo a perder, corremos atrás do prejuízo. Queremos transformar essa oferta de vento, sol e outras fontes naturais, em riqueza para o Maranhão”, enfatizou o secretário estadual de Industria, Comércio e Energia, Simplício Araújo.

Terão ainda mais três edições em 2017, abordando temas: agronegócio, que será realizado dia 14 de novembro, Revitalização do Centro Histórico de São Luís, dia 21 de novembro e A Força do Mercado interno do Maranhão, 12 a 13 de Dezembro.