Empresários destacam participação na maior Missão maranhense à China

Publicado em 31 de outubro de 2017.

Empresários que participaram da maior missão maranhense à China, destacaram os avanços e contribuições da iniciativa realizada pelo Governo do Estado por meio da Secretaria de Indústria, Comércio e Energia (Seinc), em parceria com a Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (Fiema). A comitiva esteve na Canton Fair, na cidade Cantão (Guangzhou) e visitou alguns empreendimentos instalados no país.

A Feira é considerada como um dos maiores eventos de comércio internacional de escala global com a mais longa história, contempla variedades de exibições, além de deter o maior número de compradores e volume de negócios na China. Com o passar dos anos, tem investido em medidas voltadas para a criação de redes de negócios (networking), exibição, negociação, promoção de mercadorias e até comunicação industrial entre outros.

O empresário Paulo Pereira, frisou a participação na missão trouxe além de novas perspectivas de negócios, um incentivo para o empresariado maranhense, que deseja ampliar seus negócios e investir em tecnologia. “Abriu a nossa mente para novos horizontes, novos negócios. Nos empresários nunca tivemos essa oportunidade por meio do Governo. Muitas foram as oportunidades de negócios que trouxermos para o Maranhão e temos fé que dará certo”, disse.

Considerada de forma inédita, a missão maranhense oportunizou o intercâmbio de negócios e parcerias futuras, além de oportunizar tecnologia de ponta, que pode contribuir na expansão dos negócios maranhenses. “Uma iniciativa inédita e louvável, e traz para o empresário maranhense que o estado cumpri seu papel em desenvolver um ambiente econômico voltado para o mundo. Ou seja, se a gente não consegue desenvolver nossas tecnologias, o estado nos ajuda a encontrar outras tecnologias”, afirmou Daniel Grolli, empresário.

Relação de negócio

A proposta da missão empresarial é dar início a uma relação comercial permanente entre empresários maranhenses e chineses, voltada para a importação de equipamentos e artefatos industriais e exportação de produtos maranhenses.

O secretário de Indústria, Comércio e Energia, Simplício Araújo, reforça que um fator considerável é a operação do Fundo de Cooperação para a Expansão e Capacidade Produtiva Brasil-China, que facilitará as transações comerciais entre empresas do Maranhão e as chinesas. O fundo vai disponibilizar $ 20 bilhões em crédito para projetos.

“A Missão deu a oportunidade dos empresários de conhecerem tecnologias, equipamentos, além, de oportunizar aberturas de novos mercados por meio da importação de produtos chineses e exportação de produtos maranhenses. Nós queremos contribuir para que os negócios aqui instalados, se fortaleçam e se expandam”, pontou Araújo.

A empresaria Luzia Rezende, compartilha da mesma ideia. Segundo ela, a relação entre os mercados pode gerar bons frutos no futuro. “Estão abrindo portas para o empresário maranhense para iniciar uma negociação quanto de importação como exportação, que foi feito de uma forma muito profissional, tivemos uma agenda bastante produtiva, que contribui com todos nós e partir de agora, tanto nos empresários como o Governo temos que dá continuidade para que possamos finalizar esses negócios”.